Infecção por Helicobacter pylori – gastrite crónica

Corpo 306 visitas Comentar

O Helicobacter pylori (ou, simplesmente HP) é uma bactéria que infecta e habita o estômago.

É considerada das infecções mais frequentes em todo o Mundo e, em Portugal, estima-se que cerca de 60 a 70% da população esteja infectada.

Um dos agentes responsáveis pela gastrite crónica é a bactéria Helicobacter pylori.

A infecção por HP é provavelmente a infecção mais frequente em todo o mundo, com prevalência média aproximada de 50%, sendo o humano o principal reservatório deste microrganismo.

Tipicamente a infecção é adquirida durante a infância, dentro do núcleo familiar.

A prevalência do HP varia em todo mundo e depende em grande parte do padrão global de vida em cada região.

Nos países em desenvolvimento, mais de 70% dos indivíduos podem estar infectados, enquanto que menos de 40% dos indivíduos na mesma faixa etária estão infectados nos países desenvolvidos.

A taxa de infecção nos países industrializados diminuiu substancialmente nas últimas décadas, provavelmente devido à melhoria das condições de higiene.

A Helicobacter Pylori é geralmente encontrada na saliva, placas dentárias e fezes, demonstrando que as cavidades oral e fecal estão essencialmente envolvidas na transmissão da bactéria.

Apesar de a maioria dos humanos infectados nunca manifestar qualquer tipo de sintomatologia ou complicação relacionada com a bactéria, a Helicobacter Pylori está na origem de gastrites (inflamações crónicas) e de quase todas as úlceras gástricas.

Tem sido associada ao cancro do estômago, um dos cinco tipos de cancro mais comuns no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde.

 

Dependendo da gravidade da infecção, poderá apresentar os seguintes sintomas, isoladamente ou em conjunto:

  • Sensação constante de enfartamento, inchaço e ar no estômago.
  • Ardor ou desconforto na zona do estômago ou sensação de indigestão.
  • Náuseas (enjoos) e vómitos frequentes e repetidos.
  • Dores de estômago antes ou depois das refeições

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é feito com recurso a diversos exames, como a endoscopia com biópsia (com sedação ou não) ou a radiografia contrastada.

Para detectar a HP  é também possível fazer um teste respiratório (embora este seja mais útil no controlo da erradicação da doença) ou testes sanguíneos.

Para que seja diagnosticada correctamente, é necessário realizar exames, sendo que alguns são mais invasivos que outros. O mais tradicional é a endoscopia digestiva alta, solicitada com um pedido médico.

Para realizá-la, o paciente deve estar em jejum por um período de 8 horas (inclusive água) e informar se faz uso de algum medicamento.

Nesse método, um tubo é introduzido pela garganta do paciente sedado, que é colocado deitado e virado do lado esquerdo, para que possa ser possível visualizar o esófago, o estômago e o duodeno.

Com recurso a um tubo fino e iluminado, o gastroscópio, o médico observa directamente o interior do estômago, tendo assim a possibilidade de remover algum tecido para a realização da Biópsia.

O médico patologista clínico irá examinar o tecido ao microscópio de forma a despistar a presença de células cancerígenas.

COMO SE PREVINE A GASTRITE?

Existem algumas medidas simples que podem ajudar a aliviar os sintomas de gastrite e a prevenir o seu aparecimento.

  • Devem ser evitados alimentos irritantes para o estômago, como os que são demasiado picantes, ácidos, fritos ou gordos. O álcool deve ser consumido como moderação e, nos casos mais graves, deverá ser evitado.

 

  • É muito útil comer várias vezes por dia, em pequenas quantidades, de modo a facilitar todo o processo de digestão que ocorre no estômago, sem o sobrecarregar.

 

  • Uma vez que o H. pylori pode ser transmitido pela água ou comida, recomenda-se lavar as mãos frequentemente e procurar ingerir alimentos bem cozinhados.

 

  • Uma adequada gestão do stress será igualmente importante no alívio dos sintomas da gastrite,

ALIMENTOS QUE PODE COMER CASO SOFRA DE GASTRITE

Os alimentos ricos em fibra como as nozes e as sementes, assim como legumes e vegetais verdes, são benéficos para todo o sistema digestivo, por isso é fácil entender porque uma dieta de gastrite é rica em fibras.

Os brócolos são especialmente importante para a saúde gástrica, além de ser uma óptima fonte de fibras.

Os ácidos graxos ómega 3, presentes no salmão, sardinhas, nozes e sementes de chia ajudam a reduzir a inflamação no revestimento do estômago, contando ainda com um efeito preventivo contra a gastrite provocada por H. pylori e contra outros transtornos gástricos.

Outras fontes de gorduras saudáveis são o abacate e azeite de oliva.

COMO É FEITO O TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO HELICOBACTER PYLORI?

A eliminação é difícil de conseguir e, para isso, é necessário combinar vários medicamentos. Existem várias associações diferentes de medicamentos utilizadas para a erradicação do H. pylori, sendo o objectivo conseguir percentagens de cura bastante elevadas (80-90%).

É importante salientar que uma das principais condições para que qualquer tratamento resulte é o rigor e a disciplina do doente no cumprimento das doses e dos horários da medicação.

O tratamento é habitualmente feito com 3 fármacos de 7 a 14 dias, por norma incluindo um inibidor da bomba de protões (vulgar, protector gástrico) e 2 antibióticos.

Após 4 semanas do fim do tratamento, o paciente pode realizar os testes não invasivos para confirmar a eliminação da bactéria.

TRATAMENTO NATURAL PARA HELICOBACTER PYLORI

GENGIBRE

O gengibre é um ingrediente tradicionalmente utilizado para combater a acidez no estômago e dores estomacais. Por possuir um alto teor bactericida, para muitos estudiosos o gengibre poderia erradicar a bactéria H. pylori.

CURCUMA – Melhora a digestão

Desde os tempos antigos, a curcuma já era era usada para ajudar pessoas que sofriam com distúrbios digestivos. Um estudo recente comprovou este efeito ao descobrir que a curcuma também estimula a vesícula biliar a libertar mais bílis, o que auxilia na digestão de gordura.

Além disso, as substâncias naturais presentes na cúrcuma tornam-na facilmente digerível.

A curcuma é uma especiaria de origem asiática e repleta de propriedades medicinais, entre elas está o estímulo da produção de sucos gástricos, o que ajuda a mucosa estomacal inibindo a acção da H. pylori.

BRÓCOLOS, COUVE-FLOR E REPOLHO

Estes três ingredientes possuem na sua composição substâncias chamadas de isoticio isotiocianatos, que ajudam a prevenir cancro e combater a H. pylori, reduzindo a proliferação desta bactéria no intestino.

As substâncias podem ser encontradas, especialmente nos bróculos.

 

gastrite crónica - Helicobacter Pylori

PROBIÓTICOS

Os probióticos são formados por bactérias que habitam o intestino e que são consideradas saudáveis para o organismo.

Essas bactérias estimulam a produção de substâncias que combatem a H. pylori e diminuem os efeitos colaterais que aparecem durante o tratamento da doença, como diarreia, prisão de ventre e má digestão.

Os probióticos são microrganismos vivos que ajudam na digestão e protegem o organismo contra as bactérias nocivas. São conhecidos como bactérias “boas”, que podem pré-existir no organismo, nomeadamente, no intestino, mas também podem ser encontradas em iogurtes e leites fermentados (exemplo: Kefir*).

Também podem ser adicionados a outro tipo de alimentos como a comida infantil, leite, sumos e iogurtes.

 

A H.Pylori adquiriu grande importância durante as últimas décadas, ao ser reconhecida como uma importante bactéria patogénica que infecta grande parte da população humana.

A sua erradicação representa um grande desafio para a medicina laboratorial.

 

5/5 (1 Review)

Copyright Tratamento Natural. Reprodução permitida desde que indicando o endereço:
https://www.tratamento-natural.com/corpo/helicobacter-pylori/

AVISO: Este artigo é meramente informativo, não temos capacidade para receitar nenhum tratamento médico nem realizar nenhum tipo de diagnóstico.
Consulte o seu médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *